sábado, 6 de outubro de 2012

Chineses paralisam iPhone


Chineses paralisam iPhone

A produção do iPhone 5 da Apple está paralisada depois de milhares de trabalhadores fabris da empresa Foxconn de Taiwan, onde são produzidos os aparelhos, terem entrado em greve contra as condições laborais "abusivas".

De acordo com a agência de notícias espanhola EFE, citando um comunicado da associação de defesa dos direitos laborais "China Labour Watch", existem entre 3 mil a 4 mil trabalhadores da fábrica Foxconn, em Zhengzhou, capital da província central de Henan, que abandonaram os seus postos de trabalho na terça-feira, dia 02, por causa do seu descontentamento com algumas das condições da empresa.

Queixam-se, entre outras, das "excessivas exigências de qualidade dos produtos", impostas pela Foxconn e pela Apple, sem que seja dada a formação adequada, bem como pelo facto de lhes ter sido negada a possibilidade de tirar férias durante a passada semana, festa nacional em toda a China.

"Os inspectores do controlo da qualidade confrontaram-se várias vezes com os trabalhadores, que os tentaram agredir. De qualquer das maneiras, a administração da fábrica não tem respondido às queixas nem tem conseguido resolvê-las", disse a "China Labour Watch".

Os trabalhadores actuaram movidos por "uma grande pressão", diz a organização, sem esclarecer quando é que voltam aos seus postos de trabalho.
A greve começou duas semanas depois de outra fábrica da Foxconn, na província de Shanxi, a norte, ter sido obrigada a fechar mais de um dia depois de um incidente que envolveu mais de 2 mil trabalhadores e que obrigou a que mais de uma dezena deles tivesse de receber tratamento hospitalar.

Foxconn (Veja video)
A Foxconn, uma fabricante de Taiwan electrónico, confirmou que houve dois incidentes isolados, de pequena escala, disputas entre os trabalhadores da linha de produção e pessoal da garantia de qualidade na segunda-feira e terça-feira na fábrica, mas negou que houvesse qualquer greve ou paralisação. Foxconn não especificou quais as questões que haviam causado a disputa, mas disse que foram tomadas medidas imediatas para resolver os problemas, incluindo a adição de trabalhadores da linha de produção.
A agência oficial de notícias Xinhua, citando um porta-voz do comité de gestão do Bonded Xinzheng abrangente, onde se situa a fábrica, disse que algumas linhas de produção foram interrompidas sexta-feira, quando os trabalhadores convenceram os inspectores de qualidade para saltar trabalho para mostrar sua insatisfação com os padrões mais elevados de qualidade.
Xinhua disse que a Apple reforçou inspecções de qualidade do iPhone 5 depois de haver reclamações dos consumidores sobre falhas estéticas no telefone. 
No relatório de Xinhua, o porta-voz - que não foi nomeado - caracterizou o incidente como uma disputa de auto-gestão, em vez de uma greve e foi incapaz de fornecer um número específico de trabalhadores envolvidos.
China Labor Watch afirmou que vários iPhone 5 das linhas de produção na fábrica foram paralisadas depois de os trabalhadores encontrarem o novo controle de qualidade exigente e difícil de executar e então entraram em greve. O grupo disse que os trabalhadores também estavam com raiva por ter sido forçados a trabalhar no dia Nacional da China, feriado da Semana Dia de Ouro, que termina domingo.

O iPhone 5, o mais recente na linha dos smartphones, estreou em Setembro.





Foxconn disse que seus empregados na China, que trabalharam durante o feriado; o fizeram voluntariamente e estavam a ser pagas três vezes a remuneração normal, de acordo com a legislação de trabalho chinês.
Segundo o China Labor Watch, Apple e Foxconn impôs normas mais rigorosas de qualidade em relação a recortes e arranhões nas armações e tampas traseiras dos iPhones, mas não há trabalhadores com formação adequada para atender às novas demandas.
No final de Setembro, uma briga envolvendo 2.000 trabalhadores eclodiu na fábrica da Foxconn na cidade chinesa de Taiwan, destacando as tensões crónicas de trabalho em um país que proíbe sindicatos independentes.
Sindicalistas disseram que o lançamento do iPhone 5 levou a mais horas de trabalho e mais pressão sobre os trabalhadores.