quarta-feira, 5 de junho de 2013

Tenho Fome



E eu posso comer?



É esta a pergunta que 26% das crianças até 5 anos de todo o mundo querem fazer aos homens do dinheiro. Quem quer responder?                  
É a FAO que hoje nos revela estas estatísticas macabras.

O Director Geral da FAO, José Graziano da Silva pediu hoje esforços decididos para erradicar a desnutrição, assim como a fome de todo o mundo. Graziano da Silva disse que, embora o mundo tenha registado algum progresso sobre a fome, uma forma de desnutrição, ainda havia "um longo caminho pela frente" e que devemos lutar por nada menos do que a erradicação da fome e da desnutrição.

 
O relatório sistemas alimentares para uma melhor nutrição observa que, apesar de cerca de 870.000.000 (870 milhões) de pessoas ainda estavam com fome no mundo, esta é apenas uma fracção dos biliões de pessoas cuja saúde, bem-estar e vidas são marcadas por desnutrição. 2.000.000.000 (2 Mil Milhões) de pessoas sofrem de uma ou mais deficiências de micronutrientes, enquanto 1.400.000.000 (1 Bilião e 400 Milhões) está acima do peso, dos quais 500.000.000 (500 Milhões) são obesos, de acordo com o SOFA (The State of Food and Agriculture) que é a principal publicação anual da FAO.






Vinte e seis por cento de todas as crianças menores de cinco anos são raquíticas e 31 por cento sofrem de deficiência de vitamina A. Inaceitável. O custo da desnutrição para a economia global em perda de produtividade e custos de saúde são "inaceitavelmente altos" e poderá ser responsável por até 5 por cento do do produto interno bruto mundial - 3.500.000 milhões de dólares, ou US $ 500 por pessoa. Isso é quase a totalidade do PIB anual da Alemanha, a maior economia da Europa.
Em termos sociais, a desnutrição materno infantil continua a reduzir a qualidade de vida e expectativa de vida de milhões de pessoas, enquanto que os problemas de saúde relacionados com a obesidade, como doenças cardíacas e diabetes , afectam muitos milhões mais. 


Para combater a desnutrição, use as políticas agrícolas adequadas, investindo e pesquisando para aumentar a produtividade, não só de grãos básicos, como milho, arroz e trigo, mas também de legumes, carne, leite, legumes e frutas, que são ricas em nutrientes. 
Fazer os possíveis para cortar as perdas de alimentos e resíduos, que actualmente equivalem a um terço dos alimentos produzidos para consumo humano a cada ano. Isso pode ajudar a tornar os alimentos mais disponíveis e acessíveis, bem como reduzir a pressão sobre a terra e outros recursos. Melhorar as cadeias de abastecimento, aumentando assim a disponibilidade e acessibilidade de uma grande diversidade de alimentos. Sistemas alimentares devidamente organizados são a chave para dietas mais diversificadas e saudáveis. Certifique sistemas alimentares mais sensíveis às necessidades das mães e das crianças de tenra idade.
A desnutrição durante os críticos "primeiros 1000 dias da concepção pode causar danos permanentes à saúde da mulher e comprometimento físico e cognitivo ao longo da vida em crianças. Oferecer às mulheres maior controle sobre os recursos e rendimentos para seu benefício próprio e saúde de seus filhos.
Políticas, intervenções e investimentos em tecnologias de agricultura, de economia do trabalho e infra-estruturas rurais, bem como a protecção social e os serviços também podem fazer contribuições importantes para a saúde e nutrição de mulheres, bebés e crianças pequenas. 
Projectos que provaram ser bem sucedidos em elevar os níveis de nutrição incluem maior produção, comercialização e consumo de verduras e legumes locais no leste da África, a promoção de hortas na África Ocidental; encorajamento de legumes mistos e sistemas de produção de animais, juntamente com actividades de geração de renda em alguns países asiáticos; criação de culturas básicas, como a batata-doce para elevar o seu teor de micronutrientes, e parcerias público-privadas para enriquecer produtos como iogurte ou óleo de cozinha com nutrientes. 
De acordo com o SOFA. "Um grande número de actores e instituições devem trabalhar em conjunto em todos os sectores de forma mais eficaz para reduzir a desnutrição, deficiências de micronutrientes e excesso de peso e obesidade", acrescenta o relatório.