sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Nova Iorque dividida

NOVA IORQUE DIVIDIDA 


Eu mudei-me para Nova Iorque em Janeiro de 2000 e como qualquer miúdo do Midwest,eu estava nervoso, como iria caber na grande maçã? E considerando que, quase 13 anos depois, a maioria dos meus amigos brincam comigo, dizendo que eu ainda vivo como um homem do Midwest, e acho que eles têm razão. Uma coisa que eu senti imediatamente sobre o desporto, é que é uma língua universal e que equipas e desportos não se impõem, são nossos por amor, ou afeição. Agora, o meu amor para o St. Louis Cardinals, Arizona Cardinals e Combate Illinois Illini é imutável e inegociável. Eu seria mais propenso a mudar meu sexo, minha cor da pele ou o meu número de segurança social do que o meu afecto para essas equipas. Mas eu queria encaixar, eu queria ter uma equipa local. O que me levou para os Knicks. Cresci com equipas de St. Louis, eu não tinha equipa da NBA, é lógico. Eu vi nos Knicks, uma equipa agradável em Janeiro de 2000, com Kurt Thomas e Marcus Camby no plantel, faria muito bem. Fiquei encantado com o Garden, pela história da equipa, por uma base de fãs cuja lealdade para com a sua equipa rivalizava com os fãs, eu pensei, dos Cardeais, é com eles que eu fico. Além disso, os Knicks fizeram nos playoffs 14 temporadas consecutivas, em Janeiro de 2000. Os cardeais fizeram a pós-temporada apenas uma vez nesse período. Seria bom torcer por um vencedor. 

Bem pode-se dizer em 2012 que sou simpatizante dos Knicks apesar de os últimos anos desportivo terem sido desastrosos, mas agora estão aí os Nets. Para complicar as coisas; os Brooklyn Nets têm três factores importantes a considerar. Eles apresentam uma equipa simpática e talentosa envolta no melhor plano de marketing desportivo que eu já vi até hoje, o segundo factor é a sua estrela, Deron Williams, um ex-Illinois, que eu comecei a ver quando era júnior. Ele poderia ser o meu favorito Illini de todos os tempos e por fim o Barclays Center, que é uma caminhada de 10 minutos até ao meu apartamento. Este é um grande problema. Não é todos os dias que eles vão plantar uma equipa da NBA, assim, ao lado de casa.



Passei muito tempo pensando nisso. Sepinwall argumentou, considerando os factores acima, "Como um Jerseyan, eu não acho que eu posso torcer para Brooklyn, mas acho que o destino está dizer isso mesmo." Dois amigos meus, um dos quais compartilha bilhetes dos Knicks de temporada comigo á já alguns anos, socorria-me também. Lin era tudo o que queria dos Knicks, e levá-lo embora era demais para suportar. E a nova equipa, com seus uniformes frescos e Jay-Z e, "Hey, eu posso estar em casa em 15 minutos após o jogo acabar" ele cantou uma música tentadora. Mas, no final, eu não poderia fazer isso. Eu nunca deixei uma equipa antes, nunca, e eu não podia faze-lo agora. Quando você escolhe uma equipa ou, mais frequentemente, quando a geografia, os pais e o destino se combinam para escolher uma equipa, você tem que ficar com eles, a maneira que você tem que ficar com a sua família. Claro, eu adoptei o Knicks no final de minha vida, mas eles são a minha família, no entanto. Deixá-los para o Nets “novos ricos” seria como uma traição de quem eu sou, de quem eu me tornei, quando me mudei para cá. 

Eu pensei que eu ia ser obrigado a enfrentar esta dualidade, quando o Knicks e Nets foram para jogar no Barclays Centro na quinta-feira. Eu estava indo a pé até lá para assistir ao jogo, então a pé para casa, fácil mas ainda não é onde meu coração estava. Mas Sandy veio. Portanto, não há jogo, e Nova Iorque vai evitar um “banho de sague desportivo” o que, ao todo, poderia ter realmente acontecido. Mas eu já tinha a minha batalha, e eu sei de que lado eu estou. Nossa família quebra o nosso coração, mas sempre volta. Essa é a única coisa que faz qualquer um sentir o presente importante, é a única coisa que faz com que isso importe.