segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Nova Iorque de luto

LOU REED


Lou Reed morreu ontem, Domingo 27 de Outubro de 2013 em Long Island, Nova Iorque com 71 anos de idade. A causa da morte do cantor, compositor e guitarrista ainda não foi divulgada, mas sabe-se que Lou Reed se submeteu a um transplante de fígado em maio passado, anunciando depois no seu site que se sentia "ainda mais forte".

Considerado um dos músicos mais influentes da história do rock, sobretudo graças ao seu pioneiro trabalho com os nova-iorquinos Velvet Underground na segunda metade dos anos 60 onde «casou beleza e barulho, ao mesmo tempo que trazia toda uma nova honestidade lírica ao rock’n roll” cito na revista “Rolling Stone”.

Os últimos 50 anos de música rock teriam sido bastante diferentes sem ele, algo que só poderia dizer-se com idêntica propriedade de um conjunto muito restrito de músicos.
(1942-2013)

Lewis Allan Reed, nasceu em Brooklyn, Nova Iorque em 2 de Março de 1942, começou por compor canções no final do liceu, mas o percurso que o tornaria um ícone do rock só se inicia verdadeiramente quando conhece John Cale, um músico de formação clássica, natural do País de Gales, que chegara a Nova Iorque em 1963. Com Cale, Lou Reed funda a banda The Primitives, que tem algum sucesso em 1964 com o tema The Ostrich, uma paródia à música de dança. 

Os The Primitives são depois rebaptizados The Warlocks. E quando se juntam ao grupo o guitarrista Sterling Morrison e o percussionista Angus Maclise, nasceu não apenas uma nova banda, mas, na opinião de alguns críticos, a melhor banda de rock de todos os tempos: os míticos Velvet Underground.
O grupo não teve grande sucesso comercial nos anos 60, mas alguém já observou que muitos dos jovens que ouviram o seu álbum de estreia, em 1967, The Velvet Underground & Nico, correram a criar as suas próprias bandas.


Quase não há um tema nesse primeiro álbum, produzido por Andy Warhol, que não seja hoje um clássico da música pop, de I’m waiting for the man e Venus in furs a All tomorrow’s parties ou aos sete minutos de Heroin. O grupo durou pouco (Cale saiu logo em 1968), mas a sua influência perdura até hoje.
Com o fim dos Velvet em 1970, Reed parte para o Reino Unido, onde grava um disco com músicos dos Yes. Mas é com o disco seguinte, Transformer, produzido por David Bowie, que se torna uma estrela incontestável do firmamento do rock. O tema Walk on the wild side torna-se um sucesso, mas o disco inclui outras canções justamente célebres, como Perfect day ou Vicious.
Nas décadas seguintes, Lou Reed vai sempre inovando, e muitas vezes driblando as expectativas dos seus fãs, num trajecto que inclui álbuns como Berlin (1973), o experimentalista Metal Machine Music (1975), Blue Mask(1982), New Sensations (1984), New York (1989) ou o recente Hudson River Wind Meditations, de 2007. Lou Reed era casado desde 2008 com a compositora e música Laurie Anderson. Descansa em Paz. Clica aqui.